segunda-feira, 19 de abril de 2010

Reflexos da crise de 29 ou a falencia do café na Era Vargas.

Por: Marcos Oliveira e Matheus Azevedo

O ano é 1929.O mundo inteiro sofre a maior crise do capitalismo até os dias de hoje.no final de Novembro deste mesmo ano a Bolsa de valores de Nova Iorque,teve que fechar seu pregão.

esse episódio também é conhecido como o "Crack da Bolsa de Nova Iorque".Um dos maiores acontecimentos da Grande depressão.A crise norte-americana afetou todo o mundo e o Brasil não ficou de fora.No país que ao longo da década de 20 já sofria com o reflexo da economia basicamente agrícola do país.O café, nosso maior produto de exportação(cerca de 60% das exportações brasileiras),sobrava nos galpões do governo.Desde de 1894 o governo que se revezava entre os cafeicultores paulistas e os pecuaristas mineiras subsidiava o café, fortalecendo a produção quase uma monocultura do produto, período conhecido como republica do café-com leite. Ao longo da década de 20 o produto já enfrentava dificuldades, com as sacas de café sendo vendidas cada vez mais baratas para o mercado exterior.Porém com o subsidio dos governos, os cafeicultores sofriam muito pouco com essa desvalorização. Em 1929 a festa do café brasileiro estava decretando seu fim, enquanto isso no Brasil ainda era exportada a safra de 1927.Houve um excesso de produção e com a crise, o mercado entrou em colapso. Nosso maior importador era o EUA, com a crise de 29 o Brasil entrou de cabeça na crise.E sem pausa para um cafezinho."A crise arruinou a oligarquia cafeeira, que já sofria pressões e contestações dos diferentes grupos urbanos e das oligarquias dissidentes de outros Estados, que almejavam o controle político do Brasil", explica Wagner Pinheiro Pereira, doutor em História pela USP e autor do livro "24 de Outubro de 1929: A Quebra da Bolsa de Nova York e a Grande Depressão".
Com a revolução de 1930 o gaúcho Getúlio Vargas entrou no palácio do Catete com um pepino para descascar(ou seria um café amargo para tomar?).
Getúlio surgiu como a principal alternativa para o crescimento do pais neste momento de crise.
O Brasil precisava de se modernizar: ou seja se industrializar.
Apesar disso o novo governo ainda procurava auxiliar o o setor cafeeiro,que ainda sofria com a crise.Nos estoques o governo, sacas e mais de café.Segundo a nova politica econômica adotada por Getúlio, queimar as sacas de café ajudava a controlar o preço no mercado estrangeiro.
Com a revolução de 30 o liberalismo econômico dos governos anteriores cedia espaço para o nacionalismo econômico tão presente na era Vargas
.(Principais lideres do golpe de 1930, entre eles Getulio Vargas)

O Estado passou a incentivar cada vez mais as industrias, principalmente as industrias de base, modernizando o país mesmo que tão tardiamente. Na Era Vargas o Estado era pai, patrão e padrasto.






















A gare-Quadro de Tarsila do Amaral(1925)


Fonte: OJEDA,Eduardo Aparicio Baez,PETTA,Nicolina.Historia:uma abordagem integrada.São Paulo.Moderna.1999

Nenhum comentário:

Postar um comentário